A Cia

A Damião e Cia de Teatro é um grupo de pesquisa e criação em teatro, com ênfase na tradição da comicidade popular e em sua reinvenção, sediado em Campinas.

O grupo iniciou em 2012 suas pesquisas no campo das manifestações tradicionais brasileiras, entendidas como uma importante expressão da memória cultural de nossa identidade. Através de seus estudos, a companhia entrou em contato com a teatralidade e a musicalidade presentes no Cavalo Marinho, no Maracatu, na Folia de Reis e no Coco. Estes elementos estéticos formaram a base de seu primeiro espetáculo: “As Presepadas de Damião – de como fez fortuna, venceu o Diabo e enganou a Morte com as Graças de Jesus Cristo”. A peça, criada para o espaço da rua, foi inspirada em contos de enganar a morte e dirigida por Mario Santana. Desde sua estreia em 2012, a premiada comédia viajou por diferentes cidades e estados brasileiros, alcançando um público estimado em 25 mil pessoas em mais de 150 apresentações. O espetáculo foi contemplado em 2015 e novamente em 2017 pelo edital ProAC Circulação de Artes Cênicas para Rua, da Secretaria de Cultura de São Paulo. Em 2018 foi selecionado para compor a programação do Circuito Sesc de Artes. Em sua trajetória participou de diversos festivais de teatro nacionais, sendo premiada em muitos deles: Melhor espetáculo, melhor atriz para Fernanda Jannuzzelli, melhor ator para Ricardo Ikier, melhor atriz coadjuvante para Carolina Baraglio, melhor ator coadjuvante para Rodrigo Nasser, melhor direção e melhor figurino no Encontro Nacional de Teatro de Taubaté (2013). Melhor atriz para Fernanda Jannuzzelli no Festival Internacional de Teatro Universitário de Blumenau (FITUB 2014). Melhor atriz para Pamela Leoni, melhor ator para Rodrigo Nasser e melhor direção no Festival Internacional de Teatro de Limeira (2017).

Em 2013, o grupo estreou o espetáculo infantojuvenil “Estrela da Madrugada”, contemplado pelo Fundo de Investimentos Culturais de Campinas (FICC). Em 2017, a peça foi remontada sob a direção de Mario Santana. “Estrela da Madrugada” é um espetáculo que aborda questões inerentes ao universo infantil de uma forma que gere interesse e reflexão tanto para os educadores e cuidadores quanto para as crianças. Na peça, vemos duas palhaças estudantes diante de um problema bastante comum: a dificuldade de encontrar prazer nos estudos. Nesta montagem, a Damião e Cia utiliza elementos estéticos inspirados no circo para criar uma interação viva e potente com as crianças, que tenha relação com o seu dia-a-dia mas que também estimule sua imaginação e a possibilidade do fantástico.

Em 2018 a Cia participou do projeto “Viagens Teatrais”, financiado pelo SESI-SP, com a montagem de seu terceiro espetáculo: “Burundanga – a revolução do baixo ventre”, de Luís Alberto de Abreu, com direção de Fernando Neves e assistência de Kátia Daher (Cia. Os Fofos Encenam, São Paulo).

Em 2019 a Cia é convidada para integrar o elenco da versão brasileira do espetáculo de rua “Andante”, da Markeliñe Compañia, do País Basco, Espanha. O espetáculo integrou a programação do Circuito Sesc de Artes 2019, além de diversas outras unidades do Sesc por São Paulo.
Além disso, em 2019 a Cia integrou ao seu repertório o espetáculo “Atenção, respeitável público!”, criação da atriz Fernanda Jannuzzelli, fruto de sua pesquisa acerca do universo do palhaço tradicional brasileiro. Esse espetáculo realizou diversas apresentações desde 2012, quando ainda era levado como um trabalho da Dupla Cia, grupo atualmente fora de atividade.
Ainda em 2019 a Damião e Cia realizou a montagem de seu primeiro monólogo, “As Desventuras do Capitão Rabeca”, com criação de texto e atuação de Rodrigo Nasser, direção artística de Tiche Vianna e direção musical de Marcelo Onofri. O espetáculo teve sua estreia no SESC Campinas e atualmente busca circular pelos diversos festivais de teatro do país.

De 2014 a 2017 a companhia participou do coletivo Rede Usina Geradora de Cultura, responsável pela gestão compartilhada de espaços públicos ociosos na Estação Cultura de Campinas. Neste período, o grupo ministrou cursos gratuitos de teatro e realizou importantes ações culturais voltadas à população do município como as Festas Juninas da Estação Cultura e as Temporadas Teatrais da Sala dos Toninhos.

Desde 2014, a Damião e Cia realiza atividades de formação ligadas à pesquisa do grupo. Neste sentido, o grupo ministrou oficinas com ênfase no teatro de rua para o público adulto, e de jogos e brincadeiras para crianças, oferecidas nas unidades do SESC Pinheiros, Campinas e Presidente Prudente. Além disso, a Cia produziu oficinas de cavalo-marinho com o artista e brincador Mestre Aguinaldo Silva, de Pernambuco, e oficinas de passinho com dançarinos do Rio de Janeiro (Celly Imperatriz, Iguinho Imperador e Michel Quebradeira Pura), duas linguagens que permeiam os trabalhos da companhia e que são material para os grupos de estudo organizados pelo grupo.

6 respostas para “A Cia”

  1. Espero que o Sesc aqui de São Paulo traga logo
    Estrela da madrugada – a história de um palhaço apaixonado.
    Estive ontem com minha neta assistindo: As presepadas de Damião.
    Parabéns pelo trabalho de vocês.

    1. Olá Aurea,
      que bom que você gostou! A peça Estrela da Madrugada (que foi reformulada e agora tem só esse nome, rs) vai ser apresentada no Sesc Pinheiros dias 07 e 08 de outubro, às 16h, no Sesc Pinheiros!
      Espero que possa assistir!
      Abraços!

  2. Olá bom dia,
    Ontem vi a peça das presepadas de Damião no sesc jundiai.
    Estava com meus filhos de 2 e 5 anos.
    No início da peça achei muito legal o figurino e a música , mas depois achei que não deveria estar ali com meus filhos assistindo essa peça. Minha opinião, como uma crítica construtiva de uma mãe que pensa muito na educação dos filhos não é boa.
    Eu acho que o maior público dessa peça são as crianças . E na minha visão elas nao deveriam ser expostas a cenas de violência como um assassinato ( com retirada de vísceras) e a alusões de diabos é morte.
    Poxa com tanta violência que já passa na televisão, minha TV permanece a maior parte do tempo desligada , levei as crianças para assistirem a algo novo e me deparo com violência .
    Aliás, acho que a peça não deve ser mesmo para crianças certo?
    Um abraço

    1. Olá Andrea,
      primeiramente muito obrigadx pelo seu contato.
      Nós entendemos a sua crítica, e respeitamos sua opinião. De fato, a classificação indicativa do espetáculo é de 12 anos, pois não é um espetáculo pensado para o público infantil.
      No entanto, pensamos também que cabe aos pais e cuidadores decidirem se acham ou não o conteúdo adequado para seus filhos, uma vez que os exemplos que você citou são subjetivos, e podem representar algo inadequado na visão de alguns pais e não para outros. Eu por exemplo, que sou atriz do grupo e mãe de um bebê de nove meses, não penso na morte ou no diabo como figuras violentas ou inadequadas, pelo contrário, penso que são personagens presentes em nosso imaginário e que há uma riqueza em apresentá-los a crianças.
      Acho que você tem razão com relação a cena do assassinato. É algo que já conversamos internamente, mas precisamos rever. Embora a cena não seja feita de forma realista, o objeto da faca é realista, e pode aludir a um assassinato real, e não na fantasia da ficção, que é nossa intenção. Concordo com você e pretendo levar a questão para ser conversada com o grupo.
      De maneira geral, por ser um espetáculo de rua, para espaços abertos, pensamos justamente que cada um decide se tem ou não vontade de ficar e assistir. Esse é nosso maior motivador, fazer teatro pra quem quiser, independente de quem for.
      E por acreditar no teatro, penso que você fez uma ótima escolha ao levar seus filhos para assistir uma peça. Uma pena que a nossa não tenha sido do seu agrado, mas continue levando eles ao teatro! Com certeza é uma ótima opção pra alguém que, como você disse, pensa muito na educação dos filhos.
      Obrigada pelo comentário e até um dia, quem sabe.
      Abraços

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *